sexta-feira, 27 de março de 2009

Rubens Barrichello e sua maior oportunidade de conquistar o tão sonhado título


Número no Carro: 21;
Nome: Rubens Barrichello;
Nascimento: 23/05/1972;
Nacionalidade: Brasileiro;
Estréia na Fórmula 1: 1993;
Grandes Prêmios disputados: 271;
Pontos ganhos: 530;
Pódios: 62;
PolePositions: 13;
Voltas mais rápidas: 16;
Vitórias: 9;
Títulos: 0;
Equipes pelas quais competiu: Jordan, Stewart, Ferrari, Honda e Brawn GP ;
Equipe pela qual competirá esta tempHeorada:Brawn GP.
Histórico do piloto na Fórmula 1: Em 1994 o Brasil e a Fórmula 1 perderam seu melhor piloto de todos os tempos, seu nome: Ayrton Senna da Silva. Aos poucos a Fórmula 1 se recuperava de tal perda, porém o Brasil não. O nosso país ficou com uma espécie de sequela na Fórmula 1. Os pilotos brasileiros tiveram que assumir a responsabilidade de correr na frente e substituir o insubstituível Ayrton Senna. Muitos tentaram, mas muitos falharam: Christian Fittipaldi, Pedro Paulo Diniz, Ricardo Rosset, Antonio Pizzonia, Cristiano da Matta... Nenhum desses ao menos chegou perto de vencer na Fórmula 1, mas um se destacou, foi Rubens Barrichello. Após brilhar na Jordan durante quatro anos, mas sem vencer, ele foi para a nova e fraca Stewart em 1997. Após dois anos andando em uma das piores equipes e tentando levar o carro nas costas esperava-se que Barrichello seria como os outros: só mais um piloto brasileiro em uma equipe fraca e que jamais venceria. Mas em 1999 Rubinho conseguiu levar o carro o máximo que pode com seu talento. Em várias corridas esteve perto de vencer.
As outras equipes viram que seria um desperdício se não o contrata-se. Apareceram para 2000 várias oportunidades, uma delas foi irrecusável a de andar no carro da Ferrari. Rubinho aceitou, nascia aí um "casamento" com vitórias e derrotas. Barrichello sempre foi o segundo piloto da equipe, mas mesmo assim andou bem, segurou a vaga por muito tempo e fez o Brasil voltar a vencer depois de sete anos. Mas "não há garganta que não pare de berrar", e os brasileiros não queriam "só" nove vitórias e sim títulos.
Ao ver a ingratidão de seu próprio país, Barrichello queria ver seus torcedores e compatriotas se orgulhando dele, se orgulhando de seu talento. Arriscou na sorte grande e resolveu sair da Ferrari no final de 2005, foi para a grande promessa do momento, a rica equipe Honda, onde poderia ter uma equipe correndo para ele e não ele correndo para a equipe. Porém Barrichello não se adaptou bem no começo da temporada, e na segunda metade do campeonato de 2006 o carro já não andava mais na frente, mesmo assim seguiu com punhos firmes e com muita paciência. Porém em 2007 e 2008 teve os piores carros que já tivera na vida e naqueles anos o Brasil teve um novo ídolo, o sortudo Felipe Massa, que diferentemente de Barrichello, não era segundo piloto da Ferrari Andando entre os últimos e vendo sua torcida o tratando como se ele nunca tivesse vencido, restou à Rubinho a agonia e um sonho praticamente perdido. Mas Barrichello não desistiu, fez o seu possível para não abandonar a carreira. Fez o possível para não abandonar o seu grande sonho, o de ver sua torcida gritando o nome e de ter orgulho de tê-lo como patriota.
Após quatro meses de espera Barrichello finalmente recebeu o que tanto lutou para ter, um carro com o qual ele pudesse brigar pelo título, uma equipe que o trata-se com o prestígio que merece e uma torcida que o aplaudi-se como ídolo. Após tantos anos parece que finalmente chegou seu tão esperado presente. Vamos lá Barrichello agora é só pisar fundo, fazer o que você sabe de melhor: correr e finalmente levantar a taça de campeão. PARABÉNS e boa sorte, estamos todos com você.
O esperado do piloto para 2009: Com a união Brawn e Barrichello espera-se logicamente o título, por enquanto não há adversário à altura. Mas se a falta de dinheiro pesar talvez fique difícil, mas para piloto e chefe de equipe com a experiência que amboa têm vai ser difícil de superá-los. Portanto vejo Rubens Barrichello como o grande favorito e torço por ele como jamais torci.